11 de agosto de 2015

ONZE MINUTOS DE PAULO COELHO

em 11 de agosto de 2015

Comente aqui

Alguns livros por muitos motivos acabam sendo intensos no momento em que vamos ler. E esse livro foi um desses.

"Era uma vez uma prostituta chamada Maria..."
É assim como um conto de fadas para adultos, que começa este novo romance de Paulo Coelho. É uma abordagem franca e uma profunda sensibilidade que o autor de O Alquimista conta esta história sobre os mistérios do amor e o poder da sexualidade.

Vejamos um trecho do diário de Maria:

Meu objetivo é compreender o amor. Sei que estava viva quando amei, e sei que tudo que tenho agora, por mais interessante que possa parecer, não me entusiasma.

Mas o amor é terrível: tenho visto minhas amigas sofrer, e não quero que isso me aconteça. Elas, que antes riam de mim e da minha inocência, agora me perguntam como é que eu consigo dominar os homens tão bem. Sorrio e fico calada, porque sei que o remédio é pior do que a própria dor: simplesmente não me apaixono. A cada dia que passa, vejo com mais clareza como os homens são frágeis, inconstantes, inseguros, surpreendentes... alguns dos pais destas amigas já me fizeram algumas propostas, eu recusei. Antes, ficava chocada, agora acho que é parte da natureza masculina.


 Embora meu objetivo seja compreender o amor, e, embora sofra por causa das pessoas a quem entreguei meu coração, vejo que aqueles que me tocaram a alma não conseguiram despertar meu corpo, e aqueles que tocaram meu corpo não conseguiram atingir minha alma.



 
Devo ressaltar, entretanto, que o livro é narrado em terceira pessoa, salvo os textos de Maria, em primeira pessoa.
Não é um livro sobre sexo, ainda que o sexo – inevitavelmente – esteja presente em "Onze Minutos". Ainda assim, não espere cenas duras, ou explícitas. Essas cenas impressionarão o leitor segundo sua experiência sexual ou – sendo ele minimamente experiente – segundo seu puritanismo. Não é nada que chegue a ser a história contada por um sexcritor – escritor de histórias picantes, baseadas, sobretudo, em cenas de sexo descritas em pormenores.

Em "Onze Minutos", há mais reflexões sobre sexo do que sexo propriamente. Ainda assim, as ideias contidas nos livros de Coelho não costumam contrariar a opinião geral das pessoas, mas confirmá-la, o que, para as pessoas em geral, resulta bastante agradável.

Veja o que o autor diz sobre o livro:

"Custou muito até que eu aprendesse que o encontro físico de dois corpos é mais que uma simples resposta a alguns estímulos físicos. Na verdade, ele carrega consigo toda a carga cultural da humanidade."

O livro é uma reflexão sobre até onde podemos ir em nossas experiências sexuais (daí a conveniência de uma protagonista que se prostitui e tem experiências variadas); e essas reflexões só parecem ter encontrado um limite (um grande limite, aliás) no puritanismo dos leitores em geral.

Sobre o título do livro, teria sido escolhido depois do romance "Os Sete Minutos", de Irving Wallace, que trata de liberdade de expressão e pornografia. "Os Sete Minutos" de Wallace se referem ao tempo médio que dura o ato sexual, e os "Onze Minutos" de Coelho seriam, por assim dizer, um título mais generoso com o desempenho sexual masculino – o tempo médio de ereção dos homens. Até aí, tudo muito racional. Mas deveríamos nos lembrar do misticismo de Paulo Coelho para que o número 11 faça todo o sentido do mundo.

Opinião: Se fosse necessário descrever esse livro em uma palavra eu diria: Ótimo.
Paulo coelho é conhecido por suas histórias polemicas e cheias de ficções e bruxarias, mas diferente de todos os livros onze minutos conta a história de Maria.
A jovem Maria nasceu em uma cidade pequena, se apaixonou cedo e se iludiu cedo, sendo jovem jurou várias vezes não se apaixonar, mas então acabava se apaixonando e sonhando com o homem rico com quem um dia ela iria se casar. Juntou dinheiro foi conhecer o Rio de Janeiro um estrangeiro dono de Boate na Europa se interessa por maria e quer fazer com que ela seja a nova estrela de seu negócio, Maria ingênua aceita e logo viaja.
Chegando na Europa mais uma vez seus sonhas são destruídos e a vida da uma revira volta que maria acaba virando prostituta do Copacabana. Ela conhece homens de vários tipos diferentes, muitos  a pedem em casamento, porém Maria tem um proposito de voltar para casa de cabeça erguida, isto antes dela conhecer o pintor, ele só torna sua despedida mais dolorosa, mas Maria é uma mulher bem determinada.
Paulo coelho escreve e nos leva ao mundo da troca de sexo por dinheiro o livro não é de baixo nível, não existem palavras fúteis e ele não descreve todas as noites de Maria, apenas as mais importantes. Ao contrario de muitos livros eróticos que vem surgindo, esse livro tem conteúdo, não só sobre sexo, mas há uma história que prende o leitor e contém partes do diário pessoal de Maria, esse diário faz com que passemos a gostar mais dela e de suas atitudes.
Sei que muitos criticam a escrita de Paulo coelho, mas eu sou fã de seus livros e quando não gostar de um vou falar, mas de todos que eu li onze minutos foi o mais extraordinário e envolvente livro desse maravilhoso autor.



Bom pessoal, espero que tenham gostado.
Beijinhos até a próxima!


Posts recentes

SUBIR